Projeto da UMinho quer converter calor dos gases de escape em eletricidade   10 de Novembro de 2017 / 08:42
Um projeto coordenado pela Universidade do Minho, com a participação da Universidade do Porto e do Instituto Superior Técnico, está a desenvolver um sistema inovador de recuperação da energia perdida no escape dos automóveis para produção de eletricidade, algo que é especialmente atrativo nos automóveis híbridos. As multinacionais Honda (Japão) e BorgWarner (EUA) já demonstraram interesse na tecnologia. Os desenvolvimentos recentes em materiais termoelétricos com rendimentos muito superiores têm renovado o interesse do uso destes geradores em recuperação de calor para automóveis e processos industriais com elevadas perdas de energia térmica. Intitulado ‘Exhaust2Energy’, este projeto “propõe um gerador termoelétrico de desenho inovador baseado em permutadores de calor com baixa resistência térmica entre a fonte de calor e o dissipador”, explica o coordenador Francisco Brito, do Centro de Tecnologias Mecânicas e Materiais da UMinho.

Os maiores obstáculos para a adoção de geradores termoelétricos em escapes de motores são as suas limitações na temperatura e na potência, para além do custo. A equipa de investigação sugere uma solução inovadora para controlo passivo, mas fiável, da temperatura de transferência de calor, permitindo controlar a temperatura de funcionamento destes geradores e maximizar o seu rendimento em situações com elevada variação do regime de funcionamento do motor, como os ciclos de condução urbana. A energia elétrica é convertida por módulos termoelétricos “recorrendo a um buffer, com mudança de fase. Desta forma, este conceito elimina os problemas dos protótipos atuais, que necessitam de sistemas by-pass para evitar o sobreaquecimento em alta potência”, adianta.

A tecnologia proposta promete trazer importantes benefícios no futuro do setor automóvel, na medida em que “esta energia pode ser aproveitada em qualquer veículo, pois todos necessitam de produzir energia elétrica a bordo”, realça Francisco Brito, acrescentando que “atualmente a energia elétrica é produzida pelo alternador, que retira potência ao motor, prejudicando o seu consumo e a emissão de gases poluentes”. Nesse sentido, o cientista acredita que este sistema irá “reduzir ou mesmo eliminar o alternador, além de permitir no futuro uma maior substituição de componentes mecânicos (bombas, direção assistida, ar condicionado) por outros elétricos mais eficientes, melhorando globalmente a eficiência dos automóveis”. Por exemplo, será possível ter um ar condicionado elétrico que funcione com a eletricidade acumulada ao longo da condução mesmo quando o motor está parado em modo "start-stop".

A cerca de dois anos do término do projeto financiado no âmbito do Compete 2020, é possível afirmar que a relevância industrial é elevada e os resultados já alcançados são promissores. “A tecnologia também pode ser aplicada em processos industriais, tornando-os mais eficientes energeticamente”, destaca o professor da Escola de Engenharia da UMinho. O grupo conta com a colaboração das empresas Energest e European Thermodynimics, especializadas no desenvolvimento de permutadores de calor e tecnologias termoelétricas, respetivamente. Além destas entidades, as equipas de investigação das multinacionais Honda (Japão) e BorgWarner (EUA) demonstraram interesse no conceito.

Redacção

Outras notícias da categoria nacional:

. Rui L. Reis recebeu em Londres um dos maiores prémios internacionais de Engenharia
. Português descobre circuito cerebral que prioriza acasalamento ao sono
. Professora da UMinho coordena Observatório das Comunidades Ciganas
. UMinho quer tornar as cidades “mais amigas” dos peões
. Resultados da autonomia curricular de 230 escolas apresentados na UMinho
. Têxteis Penedo espera gerar um milhão de euros por ano com tecidos que integram sistemas de iluminação
. Professor da UMinho premiado em Espanha
. CEB vai aumentar a eficácia e reduzir os efeitos secundários do fármaco para a artrite reumatoide
. Fundo Social de Emergência da UMinho apresentado no World Economic Forum
. Espetáculos e Oficinas de Férias brindam os mais novos com a energia criativa da música, do canto tradicional, da poesia e da expressão plástica, em Guimarães
. Aluna da UMinho premiada pela Associação Portuguesa de Tradutores e Intérpretes
. Portugueses na descoberta de mecanismo que pode combater fungo mortal
. Universidade do Minho tem o curso mais procurado do país
. UMinho com inscrições abertas para as provas dos maiores de 23 anos
. Biblioteca Pública de Braga evoca António José Saraiva
. José González-Méijome distinguido com Prémio de Mérito Científico da UMinho
. Joana Marques Vidal na UMinho para palestra sobre o Ministério Público em Portugal
. Fantasporto exibe 11 filmes de alunos da UMinho
. Sentença de Sócrates é conhecida a 23 e 24 de Fevereiro em Guimarães pela mão de Mickaël de Oliveira
. Software de spin-off da UMinho gere acervo de Siza Vieira
. UMinho é a mais ativa da Europa em desporto universitário
. UMinho propõe terapia capaz de controlar cancro do colo do útero
. Portugueses reescrevem a história genética da Índia
. João Pedro Vaz será o novo Diretor Artístico da “A Oficina”
. Competências transversais são as mais valorizadas no mercado de trabalho
. Centro de Computação Gráfica está a definir os padrões da condução do futuro
. UMinho quer alavancar bioeconomia do país
. Estudo pioneiro sobre tablets junta universidades do Minho e Harvard e a Microsoft
. BabeliUM da UMinho promove cursos para dez línguas estrangeiras
. UMinho estreia em Portugal exames de Chinês para os mais novos



Voltar
 
O Amarense
PUB
O Amarense (c) 2017 | Todos os Direitos Reservados