Aspeto físico é a principal causa de agressão nas escolas   7 de Abril de 2017 / 09:33
Um estudo da Universidade do Minho revela que entre 25 a 42% dos alunos do ensino básico e secundário já viram os colegas a serem insultados. A aparência física, a orientação sexual e o rendimento escolar são as principais causas de discriminação. Esta é uma das conclusões do projeto “Políticas, Governação e Administração na Educação: Democracia, Territórios e Desigualdades”. No âmbito desta investigação, realizada de 2013 a 2016, foram inquiridos 739 estudantes de quatro escolas dos distritos de Braga e Faro, com o objetivo de conhecer as causas, as perceções e os efeitos da discriminação e, assim, atuar de forma mais eficaz. Os resultados destacam mais episódios de violência nas escolas do Sul do país, onde 42% dos alunos já viram os colegas a serem insultados, contra 25% no Norte. A percentagem diminui de forma acentuada quando os próprios afirmam ter sido agredidos verbal e fisicamente: 4,7% em Braga e 13.5% em Faro.

“Ser gordo” é a primeira causa de discriminação apontada pelos inquiridos, seguindo-se a dimensão das mãos, dos pés, do nariz, das pernas e dos braços. Ser tímido, nerd ou apresentar dificuldades de aprendizagem, ser gay ou lésbica, não usar “roupa de marca” ou ter “sotaque” são outros dos motivos destacados, realça a equipa do Centro de Investigação em Educação da UMinho.

Os 18 cientistas envolvidos no estudo alertam para a naturalização cada vez maior da discriminação em contexto escolar. Por exemplo, expressões como “sim, mas é a brincar!” surgiram frequentemente nos discursos dos alunos. “Assiste-se a uma banalização do tratamento discriminatório, com a consequente falta de atenção prestada ao fenómeno, quer pelos colegas, quer pelos docentes e auxiliares”, reforçam. E acrescentam: “A maioria considera que os agressores são os mais populares na escola porque ‘todos gostam de estar do lado do poder’. Não deixa de ser uma afirmação reveladora”.

Gestão democrática das escolas está a deteriorar-se

A gestão das escolas também foi um dos aspetos avaliados através da aplicação de um inquérito nacional aos responsáveis dos agrupamentos. Concluiu-se que as práticas de colegialidade democrática estão “enfraquecidas”, as administrações continuam demasiado centralizadas e os Conselhos Gerais das escolas têm um poder limitado na definição politico-estratégica e fiscalização dos diretores. “A gestão democrática das escolas encontra-se em processo de erosão face a uma crescente burocratização do ensino e à importância atribuída à produção de resultados escolares, à sua mensuração e hierarquização”, afirmam os investigadores. O estudo considera ainda que a abertura de cursos profissionais, como forma de combater o insucesso e o abandono, varia conforme a posição dos agrupamentos na concorrência por alunos, podendo vincar a segmentação de escolas e públicos e uma concentração de alunos e professores em dificuldades em certas escolas.

Redacção

Outras notícias da categoria nacional:

. Fantasporto exibe 11 filmes de alunos da UMinho 22 de Fevereiro de 2018 / 09:03
. Sentença de Sócrates é conhecida a 23 e 24 de Fevereiro em Guimarães pela mão de Mickaël de Oliveira 19 de Fevereiro de 2018 / 09:45
. Software de spin-off da UMinho gere acervo de Siza Vieira 15 de Fevereiro de 2018 / 11:49
. UMinho é a mais ativa da Europa em desporto universitário 14 de Fevereiro de 2018 / 08:31
. UMinho propõe terapia capaz de controlar cancro do colo do útero 14 de Fevereiro de 2018 / 08:26
. Portugueses reescrevem a história genética da Índia 12 de Fevereiro de 2018 / 11:49
. João Pedro Vaz será o novo Diretor Artístico da “A Oficina” 12 de Fevereiro de 2018 / 11:47
. Competências transversais são as mais valorizadas no mercado de trabalho 9 de Fevereiro de 2018 / 08:56
. Centro de Computação Gráfica está a definir os padrões da condução do futuro 9 de Fevereiro de 2018 / 08:54
. UMinho quer alavancar bioeconomia do país 7 de Fevereiro de 2018 / 08:44
. Estudo pioneiro sobre tablets junta universidades do Minho e Harvard e a Microsoft 7 de Fevereiro de 2018 / 08:43
. BabeliUM da UMinho promove cursos para dez línguas estrangeiras 25 de Janeiro de 2018 / 10:58
. UMinho estreia em Portugal exames de Chinês para os mais novos 23 de Janeiro de 2018 / 08:43
. Aluno do MIT Portugal da UMinho premiado por manga que vai ajudar doentes com cancro da mama 23 de Janeiro de 2018 / 08:41
. Já há lençóis que reduzem o risco de asfixia dos bebés 19 de Janeiro de 2018 / 08:32
. Lentes de contacto inovadoras travam a miopia das crianças 17 de Janeiro de 2018 / 13:25
. Luis Miguel Cintra (está de regresso e) estreia “Um D. João Português” em Guimarães 12 de Janeiro de 2018 / 08:52
. Universidade do Minho sedia vinte sociedades científicas 5 de Janeiro de 2018 / 08:50
. UMinho está entre as 50 universidades mais sustentáveis do mundo 28 de Dezembro de 2017 / 09:41
. Luis Miguel Cintra em Residência Artística em Guimarães 22 de Dezembro de 2017 / 11:25
. Rui L. Reis recebe um dos maiores prémios internacionais de Engenharia 22 de Dezembro de 2017 / 11:23
. Orquestra e Coro de Alunos da UMinho em concerto de Natal na Reitoria 14 de Dezembro de 2017 / 09:02
. Nuno Peres é o cientista português com mais impacto mundial 14 de Dezembro de 2017 / 09:00
. Campanha de Recolha de Brinquedos na UMinho e adaptação de brinquedos para crianças especiais 12 de Dezembro de 2017 / 09:01
. UMinho cria porta que bloqueia fogo, micróbios e ruído 28 de Novembro de 2017 / 10:08
. Alunos da UMinho premiados no “Bright Challenge” 27 de Novembro de 2017 / 08:39
. Licenciados ganham mais e têm melhor qualidade de vida 27 de Novembro de 2017 / 08:38
. Guimarães Jazz continua a fazer história 17 de Novembro de 2017 / 08:30
. UMinho atribui Cátedra Lloyd Braga a Hans-Jörg Albrecht 15 de Novembro de 2017 / 08:25
. Centro de Computação Gráfica celebra Dia Mundial da Usabilidade 10 de Novembro de 2017 / 08:44



« Voltar
 
 
 
O Amarense
PUB
O Amarense (c) 2017 | Todos os Direitos Reservados